Namastê

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Quem Somos
 

Sergipe leva chás biodinâmicos e colônias de ambiente à Abad

Vanessa Brito

AmpliarBrasília - A pequena indústria de Sergipe está se diversificando. Foi o que demonstraram sete pequenas fábricas de Aracaju e do interior do Estado na 29ª Convenção Anual do Atacadista Distribuidor (Abad 2009), encerrada na noite de quinta-feira (13) no Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda.

Aromatizantes de ambiente, chás e temperos orgânicos biodinâmicos, produtos de limpeza, cosméticos e sucos, expostos no estande do Programa Comércio Brasil do Sebrae, eram a prova da diversificação da pequena indústria no maior evento da cadeia de abastecimento nacional e da América Latina. Os empresários das pequenas fábricas compareceram ao estande, que também exibia os produtos de outros estados e do Distrito Federal.

Chás e temperos orgânicos biodinâmicos

No espaço destinado às empresas de Sergipe, a maioria era de estreantes na feira da Abad. Esse foi o caso da empresa Daterra Agroindustrial, responsável pela marca Namastê Orgânicos, dirigida por Débora de Cássia Silva.

Com sete funcionários e dez anos de atividade, essa pequena agroindústria localizada no povoado Saúde, município de Santana do São Francisco, fica na Fazenda Mãe Terra, comandada por Débora. Os chás orgânicos são cultivados de acordo com a biodinâmica, um dos princípios da Medicina Antroposófica, fundada pelo médico e filósofo alemão Rudolf Steiner.

A posição do sol e as fases da lua, entre outros aspectos, além da adubação totalmente isenta de defensivos agrícolas, são determinantes na agricultura orgânica e biodinâmica, que gera as plantas utilizadas no desenvolvimento dos tratamentos fitoterápicos antroposóficos.

“Somos certificados pela Weleda”, informa Débora, orgulhosa. Essa é a principal marca dos medicamentos e produtos voltados para o ramo da medicina naturalista e homeopática fundada por Steiner.

As matérias-primas dos chás Namastê são fornecidas por cerca de 120 agricultores familiares capacitados, integrantes de associações de agricultura familiar ou independentes do Paraná, Paraíba e Sergipe, informa a empresária. Do Paraná, vem a camomila e a carqueja; da Paraíba, a erva-doce; e de Sergipe, a cidreira, hortelã e temperos, como pimenta, manjericão, manjerona, sálvia, pólen de coqueiros, entre outros. Os produtos são vendidos em sachês, embalados em caixinhas de papel.

“Já exportamos nossos chás e temperos para os Estados Unidos, mas nosso objetivo é o nosso Brasil”, ressaltou Débora. “Tem mais a ver com a antroposofia produzir para as pessoas e local onde estamos”.

A Namastê foi criada em 2002 como marca própria. Antes disso, a Daterra produzia e vendia sua produção para indústrias de chá de São Paulo e Sergipe, revela a empresária. “Nosso carro-chefe são os chás”, disse ela, satisfeita por estar na feira da Abad 2009. “Ótimos contatos foram feitos e certamente vão gerar frutos”, avaliou Débora.


(Agência Sebrae de Notícias)